OAB entra com representação contra o comandante da Polícia Militar





A Seccional Maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/MA) entrou com uma representação criminal no Ministério Público Estadual contra o Comandante Geral da Polícia Militar do Estado do Maranhão, Coronel Franklin Pachêco Silva, que impediu a realização de uma inspeção pela Comissão de Direitos Humanos da entidade e pelas Defensorias Públicas do Estado e da União no presídio do quartel daquela corporação, onde estão confinados presos custodiados, que cumprem de prisão provisória ou definitiva. A maioria dos presos são militares ou ex-militares.

A inspeção seria feita pelo presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, Luis Antonio Câmara Pedrosa, pelos defensores públicos do Estado, Alberto Tavares e Adriano Campos, e o defensor público da União, Felipe Rocha Leite, que ao chegarem ao quartel foram recebidos pelo coronel Silva Filho.
Coronel Silva Filho indagou se viria mais alguém ainda para inspeção, no que foi comunicado que haviam sido mobilizados o juiz da Vara de Execuções Penais e o promotor de Justiça, mas que, ao que tudo indicava, haviam encontrado problemas para chegarem ao local.
Após telefonar para o comandante geral da PM, Franklin Pachêco Silva, o coronel Silva Filho informou que a comissão deveria aguardar o promotor de Justiça ou o juiz da Vara de Execuções Penais. O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB, Luis Antonio Câmara Pedrosa explicou ao coronel que a inspeção não dependia da presença do juiz ou do promotor e que os trabalhos não poderiam tardar muito, em função da agenda atarefada dos defensores públicos ali presentes.
Mesmo diante dos argumentos do membro da OAB, o coronel resolveu telefonar novamente para o comandante Geral da PM, informando depois que havia recebido ordem para não autorizar a entrada da comissão, uma vez que o responsável pelo presídio não se encontrava no quartel.
Surpreso com a justificativa contraditória do coronel, o presidente da comissão de direitos humanos da OAB, Luis Antonio Câmara Pedrosa, ponderou que aquela determinação constituía violação flagrante de prerrogativas da OAB e da advocacia, não conseguindo, porém, demover a orientação adotada pelo comandante.
Presos desamparados - Em inspeção 15 dias antes àquele quartel, a Comissão de Direitos Humanos entrevistou vários presos custodiados naquele estabelecimento militar. Os mesmos disseram que estavam desamparados juridicamente, alegando direitos que exigiam a mobilização de instituições como a Defensoria Pública, a Promotoria de Justiça e o próprio Juiz da Vara de Execuções Penais.
Após ouvir as reclamações, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB prometeu voltar ao local e mobilizar as autoridades para promover o atendimento individualizado dos presos, em número restrito de trinta e dois.
Posteriormente, a Comissão de Direitos Humanos da OAB recebeu um documento assinado coletivamente pelos presos do Quartel da PM, em que relatam violações a direitos constantes da Lei de Execução Penal, bem como abusos de autoridade, praticados por policiais no referido recinto prisional.
Clique AQUI e leia, na íntegra na Representação.
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROMOTOR DE JUSTIÇA DA PROMOTORIA DE INVESTIGAÇÕES CRIMINAIS DA COMARCA DE SAO LUÍS/MA
A ORDEM DOS ADVOGADOS DO MARANHAO -SECÇAO MARANHAO, devidamente representada por seu presidente, abaixo assinado, vem, perante Vossa Excelência,
REPRESENTAR
Contra o Comandante Geral da Polícia Militar do Estado do Maranhão, Cel. FRANKLIN PACHÊCO SILVA, pelos motivos fáticos e jurídicos a seguir elencados:
01. No dia 10 de agosto de 2.009, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MA, Dr. LUIS ANTONIO CÂMARA PEDROSA, juntamente com os Defensores Públicos do Estado do Maranhão, Drs. ALBERTO TAVARES, ADRIANO CAMPOS; bem como o Defensor Público da União, Dr. FELIPE ROCHA LEITE, compareceram à sede do Quartel da Polícia Militar do Estado do Maranhão.
02. A visita da comissão de juristas era parte da programação de uma inspeção de rotina da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MA, tendo em vista demanda apresentada por presos, custodiados no referido Quartel da PM, a maioria constituída por militares ou ex-militares, cumprindo prisão provisória ou definitiva naquele estabelecimento.
03. Tal demanda fora apresentada ao presidente da comissão de direitos humanos, já referido, há cerca de quinze dias, quando em anterior inspeção de rotina, entrevistou dois presos custodiados naquele estabelecimento militar.
04. Vários outros presos, naquela ocasião, se disseram desamparados juridicamente, alegando direitos que exigiam a mobilização de instituições como a Defensoria Pública, a Promotoria de Justiça e o próprio Juiz da Vara de Execuções Penais.
05. Após ouvir várias reclamações dos presos, naquele dia, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MA comprometeu-se a ali retornar, mobilizando as autoridades para promover o atendimento individualizados dos presos, em número restrito de trinta e dois.
06. Posteriormente, a Comissão de Direitos Humanos da OAB recebeu um documento, assinado coletivamente pelos presos do Quartel da PM, em que relatam violações a direitos constantes da Lei de Execução Penal, bem como abusos de autoridade, praticados por policiais no referido recinto prisional.
07. No dia 07 de agosto, sexta-feira, o presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MA esteve novamente no Quartel da PM, em reunião promovida pela Ouvidoria Agrária Nacional, quando, por mera diplomacia, avisou a um oficial presente que ali voltaria com uma comissão, para fazer o atendimento dos presos, conforme havia combinado.
08. Estando o grupo de Defensores Públicos, acompanhado pelo Presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MA, solicitou a este último autorização para visitar o local de custódia dos presos, com o que primeiramente foram levados ao gabinete do Comandante Geral da PM.
09. Estranhando a necessidade de primeiro entrevistarem-se com o Comandante da PM, julgou a comissão tratar-se de ato de gentileza do referido oficial, no sentido de cumprimentá-los antes das tarefas de inspeção.
10. No Gabinete, foram recebido pelo Cel. SILVA FILHO, que após conversar amenidades, indagou se mais alguém ainda viria para inspeção, no que foi comunicado que haviam sido mobilizados o juiz da vara de execuções penais e o promotor de justiça, mas que, ao que tudo indicava, haviam tido problemas para ali chegarem no tempo aprazados.
11. De forma surpreendente, após telefonar, em recinto contíguo, ao Comandante Geral da PM, conforme dito à Comissão, o Cel SILVA FILHO noticiou que ali os integrantes da comissão deveriam aguardar o Promotor de Justiça ou o Juiz da Vara de Execuções Penais.
12. O presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-MA, DR. LUIS ANTONIO CÂMARA PEDROSA explicou que a inspeção não dependia da presença do juiz ou do promotor e que os trabalhos não poderiam tardar muito, em função da agenda atarefada dos defensores públicos ali presentes.
13. Novamente buscando outro recinto para comunicar-se com o Comandante Geral da PM, o Cel. SILVA FILHO trouxe a notícia de que havia recebido ordem para não autorizar a entrada da comissão, TENDO EM VISTA QUE O RESPONSÁVEL PELO PRESÍDIO NAO SE ENCONTRAVA NO QUARTEL.
14. Surpreendido com a justificativa, em franca contradição com a anterior, o presidente da comissão de direitos humanos da OAB-MA ainda ponderou que a determinação do Comandante constituía violação flagrante de prerrogativas da OAB e da advocacia de modo geral, mas não conseguir demover a orientação adotada pelo referido Coronel, como era previsível.
15. Após a insistência dos Defensores Públicos, o Coronel consentiu que a comissão retornasse apenas no dia seguinte, em evidente e flagrante colisão a princípios que norteiam a atuação da OAB e as normas nacionais e internacionais de proteção aos direitos humanos de presos.
16. A lei assegura o direito do preso a entrevista pessoal e reservada com o seu advogado (artigo 41, I X, da Lei 7.210/84), bem como o direito do advogado de comunicar-se com os seus clientes presos, detidos ou recolhidos em estabelecimento civis ou militares, ainda que considerados incomunicáveis, mesmo sem procuração (artigo , III, da Lei 8.906/94).
17. Qualquer tipo de restrição a esses direitos somente pode ser estabelecida por lei. (STJ - Ac. unân. da 2ª T., publ. em 21-11-2005 - REsp. 673.851-MT - Rela Mina Eliana Calmon).
18. Por outro lado, o Estatuto da OAB, dispõe, no seu artigo 44 que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) é serviço público, dotada de personalidade jurídica e forma federativa, tendo por finalidade:
"I - defender a Constituição, a ordem jurídica do Estado democrático de direito, os direitos humanos, a justiça social, e pugnar pela boa aplicação das leis, pela rápida administração da justiça e pelo aperfeiçoamento da cultura e das instituições jurídicas;"
19. O Regulamento Geral da OAB, assim dispõe:
"Art. 15 - Compete ao Presidente do Conselho Federal, do Conselho Seccional ou da Subseção, ao tomar conhecimento de fato que possa causar, ou que já causou, violação de direitos ou prerrogativas da profissão, adotar as providências judiciais e extrajudiciais cabíveis para prevenir ou restaurar o império do Estatuto, em sua plenitude, inclusive mediante representação administrativa ."
(...)
"Art.177 - Compete ao Presidente do Conselho ou da Subseção representar contra o responsável por abuso de autoridade, quando configurada hipótese de atentado à garantia legal de exercício profissional, prevista na Lei44 . 898, de 09DEZ65 ."
20. O compromisso da OAB com a defesa da ordem jurídica, desiderato indissociável da defesa da dignidade humana em qualquer estabelecimento prisional faz obrigatória a instalação das comissões de direitos humanos nos Conselhos Seccionais e nas Subseções (Reg. Geral, art. 109).
21. Observe-se que, conforme o Regimento Interno da OAB-MA (art. 18), o Conselho Seccional exerce e observa as competências, vedações e funções atribuídas ao Conselho Federal, no que couber e no âmbito de sua competência material e territorial, e as normas estabelecidas no Estatuto, no Regulamento Geral, no Código de Ética e Disciplina, no Regimento e nos Provimentos. 22. A ele compete "Dar cumprimento efetivo às finalidades da OAB, no território da sua jurisdição" (Regimento Interno da OAB-MA, Art. 19, I). Ao presidente do Conselho Seccional da OAB compete (art. 49, I):
"agir, inclusive penalmente, se for o caso contra qualquer pessoa que infringir as disposições do Estatuto e, em todos os casos que digam respeito às prerrogativas, à dignidade e prestígio de advocacia, podendo intervir, como assistente aos processos-crimes em que sejam acusados ou ofendidos os inscritos na Ordem."
23. A Comissão de Direitos Humanos da OAB-MA, como comissão permanente instituída pelo Conselho Seccional, tem sua competência e prerrogativas fixadas no Regimento interno da entidade, quais sejam, destacadamente, conforme o art. 84, do sobrecitado Regimento Interno:
I) assessorar o Presidente do Conselho em sua atuação na defesa dos direitos da pessoa humana, de acesso à justiça e de busca dos direitos sociais;
II) sempre que tomar conhecimento de violações efetivas ou iminentes de direitos humanos, proceder entendimentos com as autoridades públicas constituídas e adotar quaisquer outros procedimentos necessários à apuração dos fatos, visando o restabelecimento e a reparação do direito violado e a integridade do direito ameaçado;
III) inspecionar todo e qualquer local onde haja notícia de violação dos direitos humanos;
24. A conduta do representado constitui, além de ofensa à advocacia e à OAB, (visto que se presente ali um magistrado ou um Promotor a permissão seria dada para que ocorresse a inspeção) evidente menosprezo às regras mínimas de direitos humanos em relação às pessoas custodiadas.
25. Observamos que o Brasil assinou recentemente, em dezembro de 2006, o Protocolo Facultativo à Convenção Contra a Tortura e Outros Tratamentos ou Penas Cruéis, Desumanos ou Degradantes, no qual se compromete a assegurar o "status" das instituições nacionais de proteção aos direitos humanos e estabelece restrições à objeções à visitas aos lugares de detenção.
26. O referido documento foi precedido da publicação do Plano de Ações Integradas para Prevenção e Controle da Tortura no Brasil, em 2005.
27. A LEI nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 (Lei de Abuso de Autoridade) dispõe que:
"Art. 3º. Constitui abuso de autoridade qualquer atentado:
j) aos direitos e garantias legais assegurados ao exercício profissional. (Incluído pela Lei nº 6.657,de 05/06/79)."
28. No caso específico, a violação aos direitos e garantias legais assegurados ao exercício profissional da advocacia não se deu a um advogado em particular, o que é mais grave. Ela afrontou a representação de um órgão de representação coletiva da classe dos advogados, cuja missão constitucional inviolável é a defesa da ordem jurídica, que se fundamenta na prevalência dos direitos humanos.
29. Por todo o exposto é que requer de Vossa Excelência providências no sentido de DENUNCIAR o ora representado, conforme os fundamentos acima expostos pelo que colocamos à disposição dos procedimentos a serem instaurados os advogados vítimas do atentado aos direitos e garantias profissionais, conforme a conveniência deste Órgão, para coibir condutas da espécie, advindas de agentes públicos responsáveis pela custódia de presos no Estado. 

Termos em que P. Deferimento.
São Luís/MA, 18 de setembro de 2009.
José Guilherme Carvalho Zagallo
Presidente da OAB-MA

Comentários

  1. bem prisão especial so teve para alexanrre martins que ficou em uma cela com banheiro tipo suite, porque para os profissionais pmma, que tem nivel superior sao jogago em qualquer cela mesmo cumpringo somente puniçao isciplinar, esse cel nao tem um pingo ee respeito, mas ele vai pagar. contra a oab mostra sua arrogancia e falta ee preparo.

    ResponderExcluir
  2. gostaria que a OAB fizesse o mesmo no corpo de bombeiros, pois não é diferente, mas cuidado com o comandante geral porque é mais arrogante do que este da policia militar. Vamos lembrar alguns casos de arrogância:
    na policia , lembre-se do crime do pedreiro na av. guajajaras, sabem quem foi? onde está a arma do crime? já foi apresentada?
    No corpo de bombeiros:
    lembre-se da quadrilha indica da pela dra. litia, onde está o IPM? foi aberto? porque não? é o principal responsável Cel Durans é da turma do comandante geral e amigo do coronel vieira chefe do gab. militar, e ainda vou mais longe nesta prisão do coronel durans o cmt não queria acatar determinação do secretario de segurança, acatou mais depois passou por cima da ordem liberando-os depois das 72 horas.

    que arrogância destes coronéis. MUDANÇA COM URGÊNCIA.

    ResponderExcluir
  3. A casa do coronel ta caindo. Na OAB tem conhecedores das leis, leis estas que o coronel nao respeita.

    ResponderExcluir
  4. devíamos nos orgulharmos de termos um cmt como o atual que hoje num temos mais sds graças a seus esforços e ainda tem gente q ala mal dele é uma vergonha.

    ResponderExcluir
  5. vamos deixar o home trabalhar ninguém faz oq ele fez

    ResponderExcluir
  6. REFLEXÃO:

    RECENTEMENTE OS AGENTES DA PC GANHARAM UMA AÇÃO CONTRA O GOV DO MA RECONHECENDO A CATEGORIA COMO NÍVEL SUPERIOR QUE IRÃO GANHAR COMO ANALISTA JUDICIÁRIO EM TORNO DE 7.000 A 8.000 REAIS O RECRUTA; OS DELEGADOS JÁ ESTÃO AOS POUCOS SE EQUIPARANDO COM O PROMOTORES ESTADUAIS. EX:DELEGADO RECRUTA 12000 O DELEGADO EM FIM DE CARREIRA EM 2015 VAI 21000 REAIS.
    SE A TENDÊNCIA CONTINUAR NESSE SENTIDO O BATE PAU DA PC QUE ENTROU SEM CONCURSO PÚBLICO Q SÓ FAZ ABRIR E FECHAR CELA VAI GANHAR MAIS Q O SD DA PMMA.

    RECENTEMENTE O GOV FED. SINALIZOU Q IRÁ AUMENTAR O AUXÍLIO RECLUSÃO AOS PRESOS, TOMARÁ Q ESSE AUXÍLIO NÃO SEJA MAIOR Q SALÁRIO DO SD. A NÍVEL NACIONAL? EU ACHO Q OS VALORES SE INVERTERAM?????????

    ResponderExcluir
  7. É só vcs se organizarem e buscarem as vias judiciais em vez de estarem expndo as tripas da instituição como têm feito se esculhambando em público sem demonstrar um pingo de ética. Os inimigos da instituição aplaudem sua atitude, pois é bem conheceida a estratégia:"Dividir para conquistar". E isso, vcs já estão.

    ResponderExcluir
  8. Sr. Francisco Moura.
    Qual a PM que não tem mais soldado? com certeza não é a PMMA. Deixar o homem trabalhar? Seria tragico se não fosse cômico o seu comentário. Primeiro se informe ou viva a realidade de um PM, aí sim depois vc terá conhecimento para comentar.

    ResponderExcluir
  9. nao fico surpreso com voce francisco moura, voce sempre foi do lado do contra.

    ResponderExcluir
  10. fui acusada pelo Cel Franklin de estar exercendo ilagalmente a profissão de médica psiquiatra. meu nome foi exposto e houve muitos comentários maldosos que chegaram aos meus ouvidos.Foi aberta uma sindicância e fui afastada do servço na PMMA. Quando evidenciaram através de meus diplomas a injustiça que cometeram contra uma profissional séria e responsável, o processo de sindicância foi arquivado. Pergunto por quê? E nem ao menos tive o direito de resposta. Minha honra e minha dignidade foram feridos pelo Cmte da PMMA Cel Franklin Pacheco que até hoje nada fez para corrigir seu erro. Esse é o nosso Cmte. Um homem sem honra, sem carater, que não respeita seus comandados.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O espaço de comentários do nosso blog pode tem moderação.
Não serão aceitas mensagens:

01 - Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
02 - Que contenham conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
03 - Que contenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
04 - Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
05 - De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
06 - Que caracterizem prática de spam;
07 - Anônimas ou assinadas com e-mail falso;
08 - Fora do contexto da matéria;
09 - Só poderão comentar usuários que possua conta no Google

Blog do Ebnilson agradece a compreenção de todos

Postagens mais visitadas deste blog

3º Companhia Independente da PMMA( Amarante): Conclusão das primeiras turmas do PROERD em Sítio Novo no Maranhão

2º Reunião da Comissão do governo com os militares: Principais Deliberações

INTOLERÂNCIA MILITAR