Estado de emergência acabou sem que presídios fossem construídos


superlotação presídios DIV Estado de emergência acabou sem que presídios fossem construídos
Presídios do Maranhão estão superlotados; presos reclamam de falta de estrutura e  insalubridade em celas
Passado o fim do prazo estipulado pelo governo do estado para a construção de dez novos presídios no interior e um na capital que atenuariam a crise no sistema prisional do estado, nenhuma unidade foi inaugurada. A construção dos presídios que seria iniciada dez dias após o decreto do estado de emergência, com dispensa de licitação, apenas integra a lista de promessas do governo Roseana Sarney (PMDB).
Em 10 de outubro de 2013, o governo do estado decretou o estado de emergência prometendo construir onze unidades prisionais para sanar a crise carcerária no estado. Em janeiro, ainda mais agravada a crise de segurança no Maranhão, o governo do estado firmou compromisso para implementar onze medidas organizadas pelo Comitê Gestor de Ações Integradas para a resolução da crise no sistema penitenciário.
Passados os 180 dias estipulados em outubro, com 62 assassinatos com requintes de crueldade nas unidades prisionais do estado, ataques a ônibus e delegacias, execução de policiais e um cenário de efervescência crescente na violência do estado, o governo ainda não inaugurou os presídios.
Foto 2 Sejap centro de monitoração eletrônica Estado de emergência acabou sem que presídios fossem construídos

A última informação oficial do governo estado sobre a construção dos presídios versa de 19 de março de 2014. Nesta data, o governo divulgou release informando que “o Presídio de Segurança Máxima, que está sendo construído em São Luís e que, segundo o secretário, deve ficar pronta em setenta dias, garantirá 479 novas vagas ao sistema”. As publicações oficiais, no entanto, não relataram nada sobre o andamento da construção das unidades do interior do estado.
Se estivesse concretizada a promessa da governadora de entregar as unidades prisionais, seriam criadas 2.326 vagas nas penitenciárias do estado. Os presídios seriam construídos em cidades como Imperatriz, Bacabal, Coroatá, São Luiz Gonzaga, Timon e Pinheiro. Questionada sobre o andamento das obras no interior do estado, a Secretaria de Comunicação do Estado não enviou respostas à nossa redação.

Fonte: http://www.maranhaodagente.com.br/page/2/

Comentários

  1. É aquele momento q o governo está concentrado em arrecadar verba necessária pro caixa 2, pois as eleições estão as portas.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

O espaço de comentários do nosso blog pode tem moderação.
Não serão aceitas mensagens:

01 - Que violem qualquer norma vigente no Brasil, seja municipal, estadual ou federal;
02 - Que contenham conteúdo calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade, ou que desrespeite a privacidade alheia;
03 - Que contenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas;
04 - Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica;
05 - De cunho comercial e/ou pertencentes a correntes ou pirâmides de qualquer espécie;
06 - Que caracterizem prática de spam;
07 - Anônimas ou assinadas com e-mail falso;
08 - Fora do contexto da matéria;
09 - Só poderão comentar usuários que possua conta no Google

Blog do Ebnilson agradece a compreenção de todos

Postagens mais visitadas deste blog

3º Companhia Independente da PMMA( Amarante): Conclusão das primeiras turmas do PROERD em Sítio Novo no Maranhão

2º Reunião da Comissão do governo com os militares: Principais Deliberações

INTOLERÂNCIA MILITAR